Absentee

23 11 2010

Pedi uma coca-cola entre meninas falantes – exaustas e falantes, degradadas e falantes, impecáveis em seus saltos, mas com medo de tomar chuva nos pés. Tinha ali clandestino no bolso um solitário (reconfortante) 0,5, que saquei discretamente e joguei bem no fundo da boca. Veio o gás do refresco enlatado e a cor das coisas começou a voltar. Não a cor das nossas manhãs, não o pantone de nossas noites, mas ali havia algum tipo de luz no reflexo das pupilas e eu quase pude ouvir o mundo pulsar. Era algo escala de cinza, porém dissipou o negrume que me embaçava a vista e os joelhos pararam de fraquejar.

(a casa dorme numa sinfonia triste de notas que piscam com as luzes de natal dos vizinhos ávidos pelos refluxos do calendário: azia do tempo)

Anúncios

Ações

Information

2 responses

23 11 2010
Bruno Guerra

Eu me embriago dessa abstêmia.

24 11 2010
gauchemiroir

[Your memory like disease holds on]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: